Do valor Militar

João de Carvalho, em tempo delRey D. João III, vendo perdida a Praça se pôs só com um montante nas mãos a defender aos mouros a entrada em uma torre; e investindo-o muitos, matou trinta ele só, e os outros vendo-o rodeado de mortos, se desviavam de medo, até que unidos mais, o jarretarão. Pôs ele animosamente os joelhos em terra, e assim pelejava de modo, que os apartava a todos, até que todos de longe lhe arrojarão tantos dardos, que morreu com admiração universal de valor tão grande.

Mereceu eterna memória na lira do Virgilio português em umas estâncias, que restaurou seu grande Comentador Manuel de Faria, e as refere sobre a est. 72 o canto 10 da Lusiada pag. 419. e nos Comentos da Egloga I. est. 7. pag. 167.

Vês o grande Carvalho ali cercado
De inimigos, como touro em duro corro:
De trinta Mouros mortos rodeado,
Revolvendo o montante, diz: «Pois morro,
Celebrem mortos minha morte escura,
E façam-me de mortos sepultura.
Ambas pernas quebradas, que passando
Hum tiro, espedaçado lhas havia.
Dos joelhos, e braços se ajudando,
Com nunca visto esforço e valentia:
Em torno pelo campo retirando,
Vai a Agarena, dura companhia,
Que com dardos e setas, que tiravam,
De longe dar-lhe a morte procuravam. 

______________________________

“Mappa de Portugal Antigo e Moderno” – João Bautista de Castro – (1763)
Luís de Camões – (1524 -1580)
 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s