José do Telhado – O Robin dos Bosques português


José do Telhado ou Zé do Telhado, alcunha de José Teixeira da Silva (Lugar do Telhado, Castelões de Recesinhos, Penafiel, 22 de junho de 1818 — Mucari, Malanje, Angola, 1875) foi um militar e famoso salteador português.

Chefe da quadrilha mais famosa do Marão, Zé do Telhado é conhecido por “roubar aos ricos para dar aos pobres” e, por isso, muitos o consideram o Robin dos Bosques português.

“Entregue esta Burra ao Dono!”

Feira de Vila Meã

Nesse dia, a feira estava concorridíssima. Mas era sempre assim. Porque criatura que se prezasse não faltava à feira de Vila Meã.

A feira do gado era forte, e havia a carne de porco a frigir, e havia as provas de vinho, e havia os negócios, e havia as barracas, e os vizinhos todos que tinham vindo.

O José do Telhado, apesar de saber da tenaz perseguição que lhe movia o Administrador de Soalhães/Marco, o Adriano da Casa da Picota, não via nisso razão para faltar a acontecimento de tanta importância.

Pegou no seu varapau, companheiro inseparável naqueles acontecimentos, e pôs-se a caminho. Toda a gente sabia que ele sozinho, com o seu varapau, era capaz de varrer uma feira.

Chegado a Vila Meã, foi passeando por aqui e por ali, entre as barracas, apreciando o espectáculo.

– Ó Zé, anda cá provar este vinho, que é uma categoria!

Era o seu amigo Romão.

– Com todo o gosto! – respondeu.

Entrou na barraca e abancou à mesa, onde já estavam o Romão e mais dois amigos.

Entretanto, rapidamente se propagara a notícia;

– O José do Telhado está cá na feira! – dizia um.

– Nessa não me fio eu! – objectava um segundo. – Os regedores não o largam.

– Vi-o eu com os meus olhos! – contrapunha um terceiro. – Estava a provar um vinho. E todo janota… parecia um fidalgo! Abancado a beber! Que ele importa-se mesmo com os regedores…

Por todos os cantos da feira, repetia-se com insistência:

– O José do Telhado anda aí!

– O José do Telhado anda aí!

Alguns curiosos tinham-se aproximado do local onde os quatro estavam saboreando a bela pinga.

Porém, o ajuntamento era já muito grande e o José do Telhado começou a desconfiar.

Num grupo de desconhecidos cochichava-se, tramando-se incógnito plano.

Foi nessa ocasião que o Romão quase assoprou ao ouvido do José do Telhado:

– Precata-te, ó Zé, que estão aí os espiões do Administrador!

O José do Telhado levantou-se nas calmas e encarou o ajuntamento. O Romão quis pôr-se a seu lado, mesmo sem varapau, mas ele disse-lhe:

– Deixa comigo! Trato disto sozinho!

Na realidade, havia bastantes homens em atitude agressiva, empunhando varapaus e cajados.

Foram momentos de silêncio e expectativa.

– É dar-lhe! – quebrou uma voz. – É preciso apanhá-lo! Ou vivo ou morto!

– Se for morto, já não incomoda ninguém! – acrescentou um dos parceiros.

Olhando e pensando rápido, o José do Telhado mediu toda a crítica situação em que se encontrava. E percebeu também que os seus inimigos, apesar de tantos, nem mesmo assim se afoitavam muito a avançar o primeiro passo.

Foi isso que ele aproveitou.

Num pulo de felino, colocou-se à entrada da barraca, empunhando o varapau e enfrentando os adversários.

– Então vamos lá! – disse. – Querem-me vivo ou morto?

No jogo do pau era ele exímio, e viessem agora os valentões da Picota.

Fora, na verdade, decisiva a hesitação dos candidatos a agressores, e quando voltaram a si encontraram o temível opositor pronto para a defesa. A quantidade contra um dava-lhes grande vantagem, era certo. Por isso lançaram-se ao ataque.

– É dar-lhe! – incitou de novo uma voz.

Mas o pau do José do Telhado já volteava no ar, fazendo um sarilho onde não era fácil penetrar.

Uma, duas, três cabeças partidas. Três homens fora de combate. E o José do Telhado continuava a rodopiar não permitindo que se aproximassem.

Do alto de uma soberba água castanha de pêlo luzidio, um rico lavrador observava divertido com a refrega, e sorria. A determinado momento comentou:

– Vocês são uns valentões! Tantos e não chegam para um homem!

O José do Telhado aparava de um lado, aparava do outro, e ninguém conseguia chegar-se a apertar o cerco.

– Venha lá um de cada vez! – convidou o destemido homem de Sobreira.

Mas eles nem todos juntos logravam romper a roda.

– O homem dá-vos água pela barba! – tornou daí a instantes o lavrador da égua castanha.

E a paulada continuou.

Mais outra cabeça partida. E mais outra.

Porém, o número de agressores aumentara consideravelmente. Já ascenderia à trintena. O José do Telhado apercebeu-se do melindre da situação. Olhou para o lavrador que, do cimo da égua, continuava a apreciar o espectáculo. Teve então uma ideia fulminante. E, se bem o pensou, melhor o fez: rodopiou o sarilho naquela direcção e, num fantástico salto, colocou-se em cima da soberba égua, derrubando com mão de ferro o curioso lavrador:

– Já que só está a ver, também pode ver do chão!

E fez a égua voltear garbosamente.

Depois pô-la a caminhar em gracioso trote e despediu-se delicadamente dos seus agressores, tirando o chapéu da cabeça e acenando-lhes com ele enquanto se afastava sem pressas:

– Adeus! Adeus! Até vista!

Remordiam-se os homens da Picota perante tão humilhante derrota. Ainda correram, em surriada, atrás da égua. Mas breve desistiram: porque se nem a pé se haviam com o José do Telhado, quanto mais tendo de apeá-lo da montada.

– Adeus! Adeus! – e o terrível rival ainda lhes acenava ao longe de chapéu na mão o que lhes fazia aumentar o despeito.

Três quilómetros adiante, à entrada de Salgueiros, o José do Telhado cruzou-se com um camponês e perguntou-lhe:

– Vossemecê vai para a feira?

– Vou, sim senhor.

Desmontou agilmente e passou-lhe a rédea para a mão:

– Então, se faz favor, pergunte lá pelo dono desta burra e entregue-lha.

O camponês arregalou os olhos e já tinha dado dois ou três passos quando se lembrou de perguntar:

– Diga-me vossemecê da parte de quem vou…

– Da parte do José do Telhado.

– Do José do Telhado?! – exclamou o atónito camponês, arregalando ainda mais os olhos.

– E diga-lhe que se o José do Telhado lhe puder ser prestável não tem mais que mandar.

E prosseguiu calmamente o seu caminho a pé.

__________
Retirado de: “José do Telhado – Vida e Aventura” de José M Castro Pinto – Plátano Editora, pp. 224-229

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s