Na praça da Nazaré, em pleno largo, de manhã e de tarde, pelo tempo das festas, joga se intrepidamente o pau. Há ali professores e discípulos: alguns curiosos ali vão de propósito para se amestrarem neste exercício.

Em chegando aquele tempo da romaria, os professores montam nos seus machinhos, e vão para lá dar lições de pau. Dantes era a pinto por discípulo; hoje já não há pintos, mas creio que ainda há discípulos, e a diferença consistirá simplesmente em lhes custar mais cara a prenda. Alguns são admiráveis de agilidade. A multidão faz-lhes roto, acotovelando-se uns aos outros no empenho de qual há de ver o jogo de mais perto, e aplaude, aclama, entusiasma-se; chega a parecer que é para aquele caso que repicam os sinos, e estalam os foguetes! O jogo quase sempre acaba ao serio, influem-se de rixa os curiosos, e um só homem defende-se a pau de quatro ou cinco, e parte-lhes a cara a todos enquanto o anjo vai deitando a lôa….

“Á lareira – O homem das forças” – Júlio César Machado, 1872

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s