O varapau em comprimento

The walking staff in length (read in English)

O varapau português

O varapau como arma, é visto em várias artes marciais por todo o mundo, no entanto, apesar de ser das mais simples armas, o seu comprimento pode facilmente afectar a forma como este pode ser utilizado em combate.

O varapau utilizado no jogo do pau português, é uma “ferramenta” comum no meio rural, para conduzir o gado, caminhar etc… O seu tamanho surge naturalmente, pois se fosse muito mais longo, já não daria tanto jeito para caminhar ou manobrar, e se fosse muito mais curto, funcionaria como uma bengala, que poderia ajudar na caminhada, mas não serviria de apoio, como um cajado serve a um pastor.

Noutros contextos, podemos ver varas mais longas, como por exemplo, os campinos do Ribatejo, no entanto, eles utilizam esta vara para conduzir o gado a cavalo, por isso, tem necessariamente que ser mais longa.

Campinos

O cajado, ou varapau do jogo do pau, anteriormente a qualquer padronização, teria um comprimento que certamente variava, mas andava sempre dentro de certos limites, geralmente bem mais longo do que uma bengala, e nunca muito mais alto do que um homem.

(Exemplos do varapau, fotos individuais e em feira)

Não era portanto uma arma, este comprimento do varapau, não foi então escolhido por ser excelente para o combate, surgiu como já disse, naturalmente, mas apesar da sua utilização prática em várias funções, tem também características que o tornam ideal para o combate, no contexto em que o jogo do pau se desenvolveu.

Armas alternativas

O jogo do pau teve grande relevância numa altura em que não existiriam muitas outras alternativas em termos de meios de defesa. O policiamento era reduzido, sendo que o homem necessitava de se defender a si próprio, e isto acontecia em meios rurais, onde os campos eram mais abertos, pois numa cidade e em ruas apertadas, esta arma teria uma aplicação mais reduzida.

Outras alternativas de defesa não estavam disponíveis ao homem comum, como as armas de fogo. Sendo as pistolas, não muito vistas em Portugal numa altura em que o revolver na América teria mais predominância, aqui esse seria de mais difícil acesso. Só mais tarde e nunca em tão larga escala, veio a substituir o varapau como arma de defesa.

As armas de fogo de cano longo, sendo mais comuns e em muitos casos superiores ao varapau, eram no entanto, de transporte difícil, e não teriam grande utilidade para uma utilização diária.

As espadas, sendo uma tecnologia milenar, não estariam também ao alcance do trabalhador rural, restando-lhe apenas o simples varapau.

Em complemento ao varapau

Era então, o varapau, quase o único meio de defesa do homem. Uma outra arma comum, disfarçada de ferramenta do dia à dia, seria a navalha, esta também com outras utilidades além do combate, não sendo de um comprimento muito longo. Era porém algo a ter em consideração, e que, de certa forma, fazia com que o varapau fosse ainda mais essencial como arma principal, pois o varapau era a única forma de evitar, com o seu comprimento, uma luta de navalhas a curta distância que seria muito mais difícil de controlar e bem mais letal. Tendo em consideração que numa luta de navalhas, é mais provável os dois combatentes saírem gravemente feridos e é também mais difícil um deles fugir de uma luta a tão curta distância mesmo que surja a oportunidade ou vontade. E sendo um dos objectivos da defesa pessoal, especialmente em caso de inferioridade numérica, a possibilidade de fugir, o varapau, de certa forma, mantinha essa possibilidade muito mais em aberto do que numa luta de navalhas.

Sendo assim, temos como uma das principais funções do varapau, o tentar evitar o combate corpo a corpo, que geralmente resultaria em luta com navalhas, por isso, no jogo do pau, vemos um combate geralmente realizado a longa distância, mas que tem sempre presente a possibilidade de um dos combatentes entrar em corpo a corpo, e a capacidade de evitar essa situação, é também parte do treino e era uma parte essencial, quando o jogo do pau era utilizado como forma de defesa.

Os limites do comprimento

Isto afecta o comprimento da vara, pois, quanto maior for a vara, mais fácil é manter o adversário longe e evitar o corpo a corpo, sendo preferencial ter um varapau do que uma bengala, que apesar de também permitir o mesmo resultado, tem menos margem de erro.

A vara a ser utilizada em rotação continua com a rotação do próprio corpo.

Sendo um varapau curto mais fácil de manejar, pela sua leveza e assim, poder facilitar o bater no adversário, não era no entanto, o escolhido, pois o alcance extra da vara longa, de cerca da altura de um homem, dava realmente uma certa vantagem. Porém, a partir de um certo comprimento, a vara torna-se tão longa que já não é possível manusear a vara em rotação com tanta facilidade. Este limite não é causado tanto pela força muscular da pessoa, embora isso também possa pesar, mas sim, pela correcta utilização do peso do corpo no auxilio da rotação, e com varas muito maiores, essa rotação torna-se mais lenta, pois ao utilizarmos uma vara mais longa, o nosso corpo mantém-se igual, e perde-se assim, a eficácia no ataque em rotação, sendo esta proporção mais uma limitação natural do comprimento do varapau.

– Frederico Martins

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s