7 puxadores cheios de força

Anúncios

Jogo do pau in Gothenburg

14889764_10154419775935041_2692804029534478053_o

Picture taken on the first gathering for the practices of Jogo do Pau de Cepaes, October 23rd in Gothenburg.

Among us where representatives from several fighting arts and schools and it was the first among many coming gatherings to keep one of the few existing european martial arts traditions alive.

“…But lets work from the thesis that Mestre Avelino said that night on the parkinglot, or maybe how I understood him when I was drunk as fuckshit:

`The duell only happens when the group has failed its main job, namely to work as a group.`

From this we can read that the true martiality in JdP is that every single Jugador knows how to work in a group FIRST and that the duell, the Contra-jogo, is a last resort.

We can also read from this that every Jugador knows how to handle and recognize impossible odds, and the mercilessness in being completely left alone in the role as Batedor. Because the Picadores will not challenge you one by one and risk themselves, they will stress you as group and force you to move so that you get tired and must give up.

And from that we learn that no man will risk his own life if it is possible to drain his enemy of stamina and then capture or kill him with less effort.

It is a lesson that needs to be learned, that you are doomed without your group.

Therefore this is true when we train:

We are friends. But we are not friends.”

-Jogo do Pau de Cepaes, Nicolas Gallardo
Göteborgs Frifäktargille
Halmstad HFS
Malmö HFS

https://www.facebook.com/plugins/post.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Ffukkfejsbukk%2Fposts%2F10154419820010041&width=500

JOGO DO PAU NO GINÁSIO CLUBE DE MAFAMUDE – (Revista Stadium -1932 – Biblioteca Museu Nacional Desporto – Lisboa)

O Jogo do pau revive

O norte do país teve, desde sempre, a especial inclinação por este jogo. Disseminado por todos os concelhos, em um houve que a prática era desejada pela mocidade, tal como agora o futebol, Não só a gente humilde o aprendia. Também os ricos o cultivavam.

E Vila Nova de Gaia, o concelho referido, fez gala dessa vantagem. Por muito tempo, tomou a dianteira. Os seus naturais orgulhavam-se de possuir um com lote de esgrimistas, dignos adversários de muitos que se intitulavam campeões. Foi uma época áurea, só lembrada pelos antigos. Ás noites do velho Coliseu, com os seus assaltos entre os vários cultores, pendeu sempre para os gaienses

Mas… veio a época do esquecimento, e o antigo desporto é lançado ao abandono. Uma ou outra manifestação isolada, sem o brilho preciso. Tudo isto pesou para que outras modalidades ocupassem os ócios da juventude, relegando para ínfimo plano o verdadeiro jogo português.

Dessa plêiade de outros tempos existem três pioneiros: Antero Romariz, Francisco Pereira e Joaquim Tomaz Rodrigues. Lembrando-se de incutir no âmbito dos novos a vocação pela esgrima do pau, lançaram as bases de uma coletividade em que a mesma fosse ministrada com método a todos quantos a ela se quisessem dedicar. Foram bem sucedidos e em pouco tempo uma dezena de alunos frequentava o Ginásio Clube de Mafamude, titulo com que foi batizado esse agrupamento.

A semente frutifica e pouco depois dezenas e dezenas de praticantes recebem as lições desses dedicados mestres. A apresentação em público e em festa do Ginásio já se realizou. Festa linda, foi dado apreciar o grau de aperfeiçoamento de muitos alunos.

Partilhado em: https://www.facebook.com/assalgarvia.jogopauportugues/posts/650489545094441

Prof. António Lapa com seus disciplos no G.C.P. em 1930

Prof. António Lapa com seus disciplos no G.C.P. em 1930.- ( Biblioteca Museu do Desporto, Revista Stadium, 1932.)

Partilhado originalmente por Jogopauportuguês Aalgarviajogopauportugues

mestre António Lapa:
Natural de Salvaterra de Magos, homem alto, magro  de grande alcance.

Foi discípulo de António Emídio e José Gonçalves Dias (o 95) começou a jogar o pau aos 26 anos no Largo da Achada.

Mais tarde mestre, leccionou no Lisboa Ginásio Clube e no Ginásio Clube Português.

Tendo falecido em Lisboa a 25 de Junho de 1932.

– “Jogo do Pau (Esgrima Nacional)“ – António nunes Caçador, 1963.

Grupo de esgrima de pau da Escola Académica, orientado pelo mestre Artur dos Santos

“Tiro e Sport”:
1- “Sports Atléticos no Velodromo de Lisboa” -15 de Julho de 1909
2- “A festa da Escola Académica em favor das victimas do terramoto do Ribatejo” -20 de Junho de 1909
3- “Festa escolar académica” -15 de Junho de 1907

“Grupo dos jogadores de pau que tomaram parte da festa oferecida aos congressistas em Vila Franca de Xira – O professor Artur dos Santos e seus discípulos Dario Cannas, João Carlos do Nascimento, João Capistrano, Francisco Costa, João Rodrigues Júnior, Alfredo Futcher de Figueiredo, José Carlos dos Martires, e José Pontes”

“Tiro e Sport” – 30 de Abril de 1906

Esgrima de Pau – Escola Académica – 1905

Grupo de jogo do pau da Escola Académica. Orientado pelo mestre Artur dos Santos. – “Tiro e Sport” – 30 de Julho de 1905

Escola Académica – Festas escolares:
“(…)Depois fizeram-se exercícios de esgrima de pau, fazendo magnifico efeito as cortesias executadas por mais de 50 alunos e os assaltos em que se distinguiram os alunos nº 9 e 159 que obtiveram da seleta assistência uma verdadeira ovação, sendo também chamado e aplaudido o professor Artur dos Santos” – “Tiro e Sport” – 15 de Julho de 1906

Silvino Melro

Nasceu na Moita em 1909, foram seus mestres Domingos Henrique Margarido e João Lavrador do Barreiro. Tem escola nesta região onde conta com discípulos de boa têmpera, como Manuel Cunha e Silvino Botas.
Foto e texto retirado do livro do mestre António Caçador.

858067_143128015847716_865200876_o

Mestre Silvino Melro e a sua escola.

 

Os alunos do professor Artur dos Santos no Ginásio Clube (circa 1910)

Os alunos do professor Artur dos Santos no Ginásio Clube (circa 1910)

Sistema de graduações da época (cidade):
Iniciado: laço
Grau médio: lenço
Avançado: gravata
Mestre: casaco e direito a se sentar ao centro